Muito simples

Da. Peninha em foto de Cláudia Schembri na festa de Santo André em 2011.

Da. Peninha morreu ontem a noite. Aquela senhorinha miúda e magrinha fazia jus ao apelido. Nunca  eu soube seu nome, poucas vezes ouvi a sua voz. Nos encontrávamos aos domingos na missa, sempre vestida com simplicidade, roupa limpa, cabelos bem penteados presos num coque. Nos últimos meses deixou de frequentar a igreja. Disseram que estava doente, fora internada e depois levada para a casa de um filho. Recentemente uma candidata a vereadora fez uma pesquisa visitando todos os moradores da pequena vila onde moro e chegou a uma triste constatação : 10 casas não tinham banheiro. Uma delas era de Da. Peninha. Fiquei chocada, assim como tantos outros moradores. No movimento Linda Vila que tem como objetivo pintar e arrumar o povoado,  Zé de Broi, o idealizador, se ofereceu para construir o banheiro, Maninha doou o vaso e uma pia. Mas Da. Peninha não viveu para ver o sonho, simples como ela, de ter um banheiro em casa.  Um direito de todos, assim como água na torneira.

No velório conversando com Sebastião, seu marido, soube que Da. Peninha teve 7 filhos, mas só restaram 2. Um caiu no mundo e o outro ainda nem sabia da morte da mãe. Olhando o corpo dormindo no caixão simples, a pele morena, a blusa clara com rendas, fiquei imaginando quantos anos teria vivido e antes de me despedir perguntei ao marido.

“64”, respondeu ele. Voltei prá casa repetindo a idade dela. Parecia que carregava todos os anos nas costas curvadas, mas só tinha um ano a mais do que eu.

Anúncios

3 Respostas para “Muito simples

  1. Que todas as Donas Peninhas desse mundo – E olhe: são muitas! – consigam alguém para transformas em palavras fortes e meigas o partido de alguns poucos corações.

  2. Deu um nó na garganta e uma ternura brotou espontaneamente por todos os poros. D. Peninha, 64 ou 104? D. Peninha que leve carregava a dor o peso as alegrias da sua curta longa vida nas costas.encurvadas. Quantas histórias vividas e quantas não, . quantos sonhos de menina… como terá sido seu mundo que parecia leve e silencioso, e que agora se calou.? Lea que bênção a história de D. Peninha ter te encontrado e ter nos encontrado na sua crônica no seu afeto . Que ela siga leve aprumada, cabelos soltos e cantando. Obrigada pela delicadeza .

  3. Muito emotiva essa sua crônica. Há sempre algo novo a ser descoberto cada vez que abrimos seu blog e nos deparamos com essa paixão pelas pessoas que te cercam e pelo cotidiano delas. Parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s