Sobre um sábado

Duas notícias tristes chegaram nesta madrugada. Mulheres que não conheci, mas ligadas diretamente a homens que quero muito bem, foram para outra dimensão. E a dor é sempre avassaladora, parece que não tem fim. Nenhuma morreu vitimada pelo vírus, mas o impacto, o ritual da despedida, a consciência da finitude é a mesma. Creio que nunca se falou tanto em luto e a sobrevivência tem encontrado menor espaço.  Os falidos, empresas fechadas, desempregos, tem espaço garantido. E como gosto de olhar o copo pela metade acreditando que está mais cheio, fico vibrando com os que estão se reinventando. Na minha set list “Only the strong survive” na voz de Billy Paul está no topo…

Fico buscando boas notícias, mas no meu dia a dia dois exemplos tem me trazido muita alegria: as lives da Teresa Cristina e da Leda Nagle. Cada uma no seu estilo estão bombando com informação e alto astral. Ambas são mulheres que já passaram dos 50, donas de sua arte e o talento ganhou ainda mais espaço quando o mundo se recolheu.  As madrugadas com a Teresa Cristina são divinas. Durmo mais leve, embalada por muita música boa. É o máximo estar na cama e, de repente, ver Caetano Veloso de pijama dividir a tela do Instagram dando uma canja. Momentos únicos como com Marisa Monte, Monica Salmaso, Maria Gadu super tímida, Zéca Pagodinho as 6 da tarde pois dorme cedo, e teria muitos parágrafos para contar tudo o que vi e ouvi nestes dias. E o canal da Teresa está aberto, ninguém paga pra entrar, pode sair quando quiser, mas aproveite pois vale a pena…

Leda é amiga dos tempos da redação de O Globo, de lá foi para a TV Globo onde se firmou como grande entrevistadora. Quando “foi saída” do programa Sem Censura, ao contrário do que muitos pensaram o mundo para Leda não acabou. Ela se reinventou com um canal no youtube fazendo o que sempre fez com maestria: conversar de forma leve, deixando o entrevistado falar. Com a pandemia se adaptou para o esquema das lives no Instagram e está dando show. Seu elenco é estelar, perpassa todos os assuntos, do jurista Ives Gandra ao mestre de cirurgia no cérebro Paulo Niemeyer, a Alcione Marrom, o ex-presidente Fernando Collor, estes são só alguns que assisti esta semana. E o melhor, todos saem agradecidos e deixando o registro de como são seus fãs. Leda não opina, traz as informações; assim como Teresa Cristina, canta em todos os ritmos, aberta às tendências musicais.   

E por isso neste sábado, a minha teoria para tempos difíceis está ainda mais fortalecida de que é preciso se reinventar e só os fortes sobrevivem. Assim como um dos mercadinhos aqui em Vila de Santo André que criou um grupo no whatsaap onde publica fotos dos produtos e aceita pedidos. Ou um casal que está oferecendo produtos que traz da área rural e entrega em casa como ovos caipira, pequenos e deliciosos maracujás, limão galego, pés de banana e verduras para quem quer começar uma horta, enfim, dezenas de ofertas que também chegam no aplicativo; e uma família que o pai italiano faz pão, a mãe vende roupas africanas, uma filha faz brigadeiro, a outra vende vinho e o genro pesca. Vamos nos reinventar e quando a tristeza bater, muda de canal e bota Billy Paul prá tocar, pois só os fortes sobrevivem… Outra hora conto sobre o prazer de ter trabalhado com Billy Paul, mas neste sábado segue o link, vamos cantar e dançar …

Uma resposta para “Sobre um sábado

  1. Que texto foda Léa 👏👏👏👏

Deixe uma resposta para Marta Pinto Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s