Arquivo da tag: institutobutantan

A CoronaVac, o Butantan e eu

Album de família

Cada vez que ouço falar na CoronaVac e no Butantan meu coração bate mais forte. Não apenas por sentir que lá está sendo produzida a vacina que promete em breve  imunizar os brasileiros do vírus Covid 19, mas pela memória afetiva que o Instituto Butantan me traz. Tenho enorme orgulho em estar ligada à família Vital Brazil, cujo patriarca fundou o Instituto Butantan e ali desenvolveu muitas pesquisas cientificas, plantando a semente que mais de 1 século depois se mantém viva. A árvore genealógica da minha família por parte de mãe é bem interessante e gosto de contar assim:  por volta de 1916, duas jovens muito bem nascidas e criadas em Curitiba, Déa Meneses e Dinah Carneiro Vianna, se tornaram amigas. Déa morava com o pai, a mãe e os irmãos, era sobrinha do escritor Emilio de Meneses; enquanto Dinah vivia com o pai, Paulo Guajará Vianna e 8 irmãos, a mãe havia falecido há alguns anos. Déa se apaixonou pelo pai da amiga. Amor correspondido. Contava-se na família que Dinah dizia:

“Déa, como vai se casar com alguém com a idade do seu pai e ainda por cima com filhos para acabar de criar?”

Mas Déa foi firme, casou com Paulo e, algum tempo depois, Dinah, casou com um homem quase da idade do seu avô. O marido de Dinah era o cientista Vital Brazil, também viúvo, com 9 filhos, e com ela teve mais 9. Déa e Dinah foram mães quase ao mesmo tempo.  Não me lembro quem enviuvou primeiro, mas as amigas se consolaram nas perdas, comemoraram as conquistas, nascimento de netos e bisnetos. Dinah, generosa, deu uma casa para Déa no mesmo bairro onde foi construído o Instituto Vital Brazil em Niterói. Esta relação de carinho – amizade se perpetuou pelas gerações…

Eu sou neta de Déa, tinha 1 ano quando o vovô Vital morreu e cresci ouvindo falar sobre ele que foi padrinho do meu irmão Victor. Uma lenda que ia muito além da foto no álbum que herdei onde aparece elegantemente vestido e sentado ao lado de vovó Dinah. As minhas melhores lembranças de férias na infância estão ligadas diretamente a esta família, a casa tão grande, praticamente um sitio em Niterói aonde íamos buscar o leite no curral. Com a venda do Instituto para o Estado, as minhas memórias de férias foram transferidas para a casa em Laranjeiras, onde vovó Dinah vivia com meus padrinhos Eliah (Vital Brazil) e Álvaro (Protásio). Eu passava o dia cercada de primos e, apesar do barulho da garotada, tinha um silencio no ar. Talvez o jeito calmo e manso dos meus padrinhos em conduzir 11 filhos

Mas tinha algo ainda mais mágico nesta casa cercada por árvores. Havia muitas salas, como a de música com quase todos os instrumentos, da harpa ao piano, a de TV uma sensação com o equipamento recentemente lançado  onde assisti pela primeira vez os Espetáculos Tonelux, a sala de jogos, de costura e pintura, de refeições, de estar, varandas e tinha uma muito especial: um pequeno museu. Ali estavam expostos objetos e documentos do vovô Vital. Ainda menina eu percorria com os olhos atentos e as mãos ficavam seguras atrás da cintura para evitar a tentação de tocar no intocável. Me lembro de uma escrivaninha, uma espécie de armário de vidro com peças pequenas, como relógio, óculos, caneta, um tinteiro… Ainda tinham quadros, alguns moveis de época, e como eu gostava de admirar aquelas relíquias.  E é com esse mesmo olhar de menina encantada que ouço sobre a vacina que vai sair do Butantan, diretamente de onde saíram boas memorias da família e se encontrar comigo na Bahia.. Vai dar certo.