Arquivo da tag: terapias alternativas

Em sintonia com a vida

Inúmeros sites vêm anunciando um evento que, a princípio, começou em novembro de 2018 e hoje chega ao ápice com o equinócio de outono, quando o Sol distribui sua luz de forma igual, a ambos os hemisférios do planeta.  Do ponto em que estou há 15 anos, num pequeno povoado cuja única poluição é de raras queimadas e alguns carros de som, com tempo para ver o nascer da lua e do sol, perceber um vento mais frio com o aviso de chuva, maré subindo e descendo, canto dos pássaros, percebo também pessoas que chegam e partem. Muitos são turistas, outros buscam uma outra vida com mais qualidade. Nem todos conseguem ficar por muito tempo, tanto viajantes que não aguentam a falta de agitação, como os desejosos de um novo destino. Santo André é para fortes, tem algo de místico e mágico, tem algo de mix de tribos que nem sempre convivem em harmonia, tem algo de sedução e repulsa, mas isso só se descobre com o tempo. E quem se encanta volta sempre.

Entre os muitos passantes e chegantes surgem os místicos. A energia pura pulsante, muito mar, rio, matas, poucas torres distribuidoras de poluição eletromagnética, é um convite para a reflexão. Os praticantes de yoga já descobriram o caminho e já ouviram a lenda de que há um Santo André de ouro guardado no fundo dessas terras. O santo teria sido trazido por um padre temeroso que a imagem desaparecesse como tantas outras da sua Igreja. Dizem que este mistério acessa uma memória profunda dos que passam por aqui e querem descobrir a própria essência, o seu ouro interior. Tem algo que não vemos e nem tocamos. Apenas sentimos como o brilho do ouro no fundo da terra. 

No feriado de 12 de outubro Halu Gamashi teve esse sentimento ao atravessar o rio João de Tiba. Médium, paranormal, autora de 10 livros, criadora de técnicas corporais e sutis, atuando há mais de 25 anos como professora, participando de congressos e workshops sobre anatomia do corpo sutil, chakras, campo áurico, filosofia, saúde e comportamento humano em diversas cidades brasileiras e europeias, chorou ao cruzar o rio. Convidada a trazer suas técnicas terapêuticas para um workshop de ashtangha yoga, conta que sobre as águas, enquanto a balsa fazia a travessia de pouco mais de 10 minutos, sentiu como se estivesse chegando em casa, sem jamais ter pisado em Santa Cruz Cabrália, cidade onde o “Brasil” começou.

Baiana de Salvador, andarilha pelo mundo, morou em mais de 400 cidades em seus 58 anos, sempre seguindo as indicações do seu guia espiritual que diz a acompanhar desde os 3 anos de idade. Estava instalada em Lisboa, onde lançou livros e atuava com terapias quando, no início de 2018, recebeu a recomendação de seu mentor para uma nova mudança: a Costa do Descobrimento. Instalou-se em Trancoso onde vivera nos anos 80 mas não sentiu a mesma energia do passado. Ficou aguardando novas indicações até que veio o convite para o workshop em Santo André e, desde então, não mais saiu.  Por ter chegado ao povoado com a cabeça raspada é chamada por alguns de “a monge de Sto André” e conta como sua mediunidade surgiu na primeira infância:

“Penso que não escolhi dedicar a minha vida à vida espiritual. Hoje sei que antes de encarnar assumi este compromisso. Fiz esta descoberta aos vinte e nove anos de idade, porém, desde que nasci as idiossincrasias e as peculiaridades que naturalmente despertaram em mim fizeram com que, aos três anos de idade, alguns dos meus familiares buscassem na espiritualidade um remédio. Os médicos quando me viam adoecer, não conseguiam chegar a um diagnóstico e “doenças atípicas” era o que a minha família começava a ter como resposta. A falta de esperança, o medo de me ver morrer foi a porta que se abriu para que eles procurassem a espiritualidade a fim de restabelecer a minha saúde, e isto virou um hábito: eu adoecia (febre reumática atípica, paralização dos rins, pequenos infartos), os médicos não encontravam diagnóstico e eles me levavam à uma casa espiritual. Faziam isto escondido por temerem serem rejeitados pela sociedade em que viviam. Assim foi até os meus dezoito anos quando descobri que não precisava adoecer e sim conhecer, afinar minhas energias, alinhar-me”.

Em uma trajetória de grandes desafios, tanto físicos como mentais, muitas vezes foi apontada como louca e não conseguia se entender por ser tão diferente das outras pessoas…

“Disseram-me que a espiritualidade tinha um projeto para mim. Confesso que aos dezoito anos, muito ignorante ainda sobre esse mundo invisível, me senti invadida e pensava: ‘Como é isto? A espiritualidade tem um projeto para mim? Eu queria ter o meu próprio projeto’. Porém, apesar destes questionamentos, durante nove anos morei em uma chácara-escola que me iniciou nos conhecimentos e na magia branca dos elementos da natureza, a água, a terra, o fogo, o ar, a madeira, os rios, as cachoeiras”.

Sem querer se prender a qualquer seita, a casa aonde viveu nesse período não era religiosa. Não era candomblé ou umbanda. Era uma casa que estudava a influência das energias da natureza nos humanos voltada ao conhecimento e à medicina mais do que aos mitos e mitificações. Antes de completar 28 anos saiu da casa, era tempo de conhecer o mundo.

“Disseram que eu estava pronta para canalizar mensagens e que a espiritualidade me ensinaria outras coisas e daria novas iniciações.  E descobri, aos vinte e nove anos, o porque de toda a minha vida estar sempre perto das energias da natureza e desse mundo sutil. Se minha família não fosse tão preconceituosa este caminho não teria sido tão difícil: realmente encarnei com o compromisso espiritual e se lutei tanto contra os preconceitos da minha família é porque havia em mim um chamado, muito forte para me aprofundar nesse universo. ”

Halu lamenta que os temas espirituais, principalmente a inteligência espiritual, sejam tratados com descrédito, banalidade, superficialidade e ironia, principalmente por alguns paranormais que valorizam muito mais os fenômenos do que os seus significados. Neste processo de vida, um dia percebeu que seus chacras se abriam em fendas no corpo físico, como na testa, na palma das mãos e no plexo solar, causando um profundo estranhamento. Todas essas manifestações foram registrados em fotografias, acompanhados por médicos que jamais conseguiram chegar a um diagnóstico.  As marcas dos movimentos dos chacras estão presentes e o processo acontece com assiduidade, principalmente quando ela percebe movimentos estranhos no planeta.

“O fenômeno, em mim, sempre o compreendi como uma mutação, o crescimento de um órgão sutil que abriria os meus canais para aprendizados mais importantes. Foi este o valor que dei aos fenômenos: eles precisavam acontecer para gerar mutações no meu corpo material que me viabilizassem o acesso à informação, e hoje tenho certeza que se tivesse escolhido parar nos fenômenos, utilizá-los como forma de convencimento para outros – o que chamam de exposição mórbida – eu não teria cumprido a minha missão de alcançar uma comunicação, que volto a repetir, sinto-me na obrigação, dever e direito de dividir com quantos queiram ler ou ouvir”.

Halu explica em seus livros que o termo chakra (em sânscrito significa roda), são portais de entrada e saída de energias, com muitas funções; podendo ser definido como radares energéticos que sintonizam a relação entre o corpo físico, o períspirito e a alma, sincronizando o produto desta união com o Universo. Então, rodando ou girando, esses pontos captam as energias sutis do universo, distribuindo-as pelo corpo. Como resultado das suas vivências no mundo espiritual desenvolveu setenta técnicas terapêuticas que visam a harmonia e o equilíbrio nos corpos físico, emocional e espiritual através do alinhamento dos chakras.

Autora com mais de 10 livros publicados no Brasil e Portugal, dentre eles: Caminhos de um aprendiz; Plano inverso; Chakras, A História Real de uma Iniciada; Chakras, The True History of a Medium; Clandestina, O Resgate de um Destino; Conde Vlado, um Alquimista em busca da Eternidade; A Hermenêutica de Deus e o Código Original; Meditando com a Consciência Suprema e O Livro dos Sonhos Cabalísticos, Halu Gamashi há 20 anos ministra cursos de terapia em uma escola em Yverdon Les Bain, na Suíça. Desenvolveu também uma linha de produtos – Maberu – que tem auxiliado e melhorado a qualidade de vida dos seus pacientes. 

Uma das coisas que Halu Gamashi mais gosta em Santo André é sentir que está em um povoado onde o respeito às diferenças e a amizade são valores reais e objetos de permanente cultivo. Em 5 meses já apoiou projetos voltados às raízes e à cultura local, como a Festa de Iemanjá dia 2 de fevereiro, o Batismo de Capoeira, a abertura do carnaval bem no tradicional estilo baiano com entrega da chave da cidade a Rainha Moma. Seus pacientes e alunos que vêm de diversas partes do país têm trazido um novo movimento ao povoado. Até um suíço, campeão de snow boarding, está continuando sua formação e aprendendo português. Os seminários que realizava em sua chácara no interior de São Paulo, depois em Portugal e em tantos outros países, começam a ser realizados na Bahia. O próximo será de 17 a 21 de abril, Semana Santa onde compartilhará conhecimentos e aplicará técnicas como a fluidoretapia e leitura de aura. Em seu site publica constantemente artigos canalizados através de suas viagens astrais e, segundo ela, sobre Vila de Santo André há uma colônia espiritual. São cidades espirituais que servem de morada para os espíritos com algum grau de evolução, aguardando a reencarnação.  Quem sabe o Santo André de ouro perdido é sinal deste mistério ?

Foto : Cláudia Schembri