Vovó Mercedes

 

Foto de família em dia de Natal : no contato em preto e branco Bernardo, vovó, eu, Paulo e no último fotograma Da. Flora Nobre, mãe do Paulo, avó do Bernardo.

Saí cedo andando pela praia de Copacabana e lembrei de Da. Mercedes Martins, bisavó do meu filho que acabou se tornando também minha avó. Um personagem, Vovó Mercedes morava num apartamento no 12º andar da Av. Atlântica com a deslumbrante vista para a praia. No início da década de 70 foi feita uma enorme obra na praia para aumentar da faixa de areia e o alargamento das pistas com objetivo de passar uma tubulação (interceptor oceânico) para transportar todo o esgoto da Zona Sul até o emissário de Ipanema e evitar que as ressacas chegassem à Avenida Nossa Senhora de Copacabana e às garagens dos prédios da própria Avenida Atlântica. Com essa obra foi criado o calçadão em frente dos edifícios num belo projeto paisagístico de Burle Max.

Vovó assistia a tudo do alto, esperando a obra chegar à frente do edifício onde morava entre as ruas Santa Clara e Constante Ramos. Já haviam feito o calçamento com as pedras portuguesas fazendo lindos desenhos, mas faltava o paisagismo. Um dia ao acordar olhou prá baixo e viu que caminhões descarregavam árvores. Tomou banho, salpicou talco no pescoço, soltou os papelotes que prendiam os seus cabelos louros, rouge e baton no rosto, vestiu um elegante tubinho de seda estampada e calçando sapatinhos sob medida (tamanho 32!!) desceu  no elevador para ver o que estavam fazendo em “seu jardim”. Vovó viu que um rapaz separava as árvores por canteiros e ao perceber que na frente de seu edifício seriam amendoeiras protestou.

“Em frente da minha casa não se planta árvore vagabunda!”

O rapaz explicou que o projeto era de Burle Max, que os quarteirões seriam mesclados entre palmeiras e amendoeiras, e naquele espaço estavam determinadas aquelas espécies. Depois de muito reclamar e ver que ninguém atendia seu pedido decidiu ir ao Departamento de Parques e Jardins. Pegou sua bolsinha, chamou o taxista que sempre a atendia e foi para a Praça da República, em frente da Central do Brasil, onde ficava o tal departamento. Na recepção apresentou-se como jornalista – de fato ela era – e pediu para falar com o diretor. Deve ter causado certo impacto a presença daquela senhorinha com mais de 80 anos e não demorou a ser levada à sala do diretor Gildo Borges. Contou que imaginava ter palmeiras em frente de seu edifício e não amendoeiras que sujam as calçadas com frutos e folhas. Impressionado com a determinação da “jornalista”, o diretor comentou que as pessoas não estavam preocupadas se plantavam ou não árvores, quanto mais qual a espécie e, sem consultar Burle Max, mudou o desenho do projeto…

Quem passar pela Av. Atlântica em frente ao número 2736 pode ver que apenas ali, em todo quarteirão, foram plantadas palmeiras…E viva Da. Mercedes, onde estiver !!!

 

Anúncios

3 Respostas para “Vovó Mercedes

  1. Bernardo Penteado de Sousa Martins

    Parabéns pelo belo texto, mãe!

    Até hoje me lembro com alegria de minha querida bisavó Mercedes.

    E como a sra. mesmo disse: ‘E viva Da. Mercedes, onde estiver!’

  2. Quisera eu ter essa memória formidável para escrever com tanta maestria as histórias que vivi…
    Obrigada por mais este belo texto.
    Bjs

    E viva Da. Mercedes, onde estiver!!!!

  3. Ela fez a diferença…

    Bela narrativa,consegui visualizar a Da. Mercedes.

    Um ótimo 2011.

    Áurea.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s