A saúde está morrendo

Da. Peninha na missa do dia 30 de novembro

A Helenita chegou hoje cedo contando do velório/enterro da filha de Da. Peninha. Carmelita tinha pouco mais de 30 anos, morreu ao dar à luz o 4º filho no Hospital Luiz Eduardo Magalhães em Porto Seguro. Consta que a criança era grande, ela fez muita força para o bebê sair e “aí foi arrebentando tudo: útero, ovário e deu uma hemorragia…” Assim Helenita descreveu o fato como contavam no velório. E o mais cruel: os médicos quebraram a clavícula do bebê ao tirarem de dentro da mãe !

Não bastasse isso, abro o Facebook e leio o comentário do Jeronymo Machado, produtor e empresário, sobre o atropelamento de sua mãe em Copacabana. Aos 80 anos, lúcida e ativa, Da.Elza ficou caída no chão, foi atendida pelos Bombeiros que chegaram rapidamente, mas na seqüência passou pelo horror dos corredores do Hospital Miguel Couto, um hospital público em área super nobre do Rio de Janeiro, até conseguir ser transferida para um hospital particular também com atendimento duvidoso.

De Porto Seguro ao Leblon não há diferença no atendimento médico. Público ou particular, a saúde no Brasil morre. Não entendo aonde foi parar a dignidade dos médicos. Tanto faz Carmelita, a mãe simples que morava em Ponto Central, uma pequena vila de Santa Cruz Cabrália e deixou 4 filhos, como Da. Elza, a mãe da zona sul do Rio de Janeiro, todos passam pelas mãos de algozes. Alguns mais sofisticados, como os que atenderam Da. Elza que está bem e se recupera em casa, como os incompetentes que andam pelo Sul da Bahia.

Da. Peninha vai ficar mais triste e encolhidinha no banco da missa. O Jeronymo mais revoltado com a sociedade em que vive. Até o dia em que todos juntos teremos coragem de dar um basta e exigir que ao menos educação e saúde sejam tratados com respeito neste país. Livrai-nos Senhor da saúde pública ! Amém.

Anúncios

3 Respostas para “A saúde está morrendo

  1. Oi Lea, seu texto resumea situação da nossa falta de saúde . ” De Porto Seguro ao Leblon não há diferença no atendimento médico. Um beijo carinhoso
    Jeronymo Machado
    PS: minha mãe está em casa e passa bem.

  2. Léa, é lamentável e vergonhosa essa situação precária de saúde e educação que estamos vivenciando.

  3. Amém Léa Penteado!!!!! Tá difícil mesmo, mas acima de tudo isso, da dignidade, do amor ao próximo, da vida, está a ganância, a sede ao poder e sentimentos de baixa escala. Talvez um dia tenhamos coragem de virar a mesa! Quem sabe…..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s