As mães

As amigas astrólogas sempre falam sobre o meu inferno astral que vem na aba das festas de fim de ano. Capricorniana de 3 de janeiro, sempre foi difícil conviver com a miscelânea entre Natal e Ano Novo. Para culminar a conjunção astrológica, foi numa antevéspera de Natal que enterrei meu irmão há 18 anos. Enterrei literalmente: caixão em cova rasa num pequeno cemitério à beira da rodovia BA-001 seguindo seu desejo. Nos tempos em que me debatia nas celebrações, insistindo em fazer uma grande árvore, comprar presentes e fingir que estava tudo bacana, havia o reforço do Natal na casa dos meus pais. Mamãe primava na organização. Algumas semanas antes, enquanto arrumava a árvore e espalhava a decoração pela casa, tirava as toalhas bordadas do armário que seriam exibidas na ceia do dia 24 quando toda a família se reunia.  Mamãe fazia a festa para a família, presentes para todos aos pés da árvore, ceia atendendo os desejos : torta de nozes para um, bacalhau para outro, tender para um terceiro, e assim ia o cardápio. Esta semana lembrei muito dela ao pensar na noite de Natal que se aproxima quando estarei com meu filho e ao ver Lurdes, a personagem da Regina Casé na novela “Amor de Mãe”, preparando no capricho o almoço de domingo para receber o rico namorada da filha. Minha mãe faria igual, mesmo sem saber cozinhar daria um show de ordens na cozinha e provavelmente serviria o mesmo chester e salada de maionese. Um parêntese: esta mãe que Regina construiu é perfeita, tem gestos de enorme força como as mãos que espalma nas costas de quem abraça, quando olha nos olhos e diz “você agora tem mãe”… Apesar da minha não ser nordestina, era muito parecida. Era capaz de qualquer loucura pelos filhos, menos vender a casa pois meu pai não permitiria… Mas a verdade é que este ano, particularmente, minha mãe tem me feito muita falta nestes dias e, junto com este sentimento, me veio a lembrança de duas grandes mães que protagonizaram 2019: Mercedes, a mãe do querido Ricardo Boechat, e Maria do Céu, a mãe do Gugu Liberato.  Quanta dignidade que estas mulheres com muitos anos de vida passaram num momento que nenhuma mãe espera: enterrar o próprio filho. Não eram personagens de novela, era dor na carne, no sangue, na alma. Assim como elas, centenas de mães choraram a perda dos seus filhos na violência urbana destes país… Meu desejo para 2020 é que as mães sofredoras fiquem apenas nas novelas, no talento da Regina Casé , Tais Araujo e Adriana Esteves. E de resto, a vida segue…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s