30 anos nunca mais

IMG_0001pq

Confesso que há algum tempo tenho dificuldade em reconhecer aquele mulher de cabelos grisalhos que me olha todas as manhãs no espelho. Às vezes me permito algumas fotos para encará-la, outras recuso reprodução tão chocada que fico naquela que não me reconheço. Na auto imagem estou entre os 30 e 40 anos. E aquela que me persegue ao se refletir no espelho enquanto passo o batom, ou quando encaro ao passar o creme no rosto, tem a minha voz, os olhos pequenos, os meus trejeitos, mas esteticamente não é com quem converso intimamente.

Para criar o material da campanha de promoção do livro que escrevi contando alguns cases de assessoria de imprensa, tive que fazer fotos e o mais desafiador, vídeos. No primeiro dia quando vi i vídeo na tela do computador tive o impulso de apertar o pause e deletar.  Revi e não quis mais saber do assunto. O cenário era o jardim de casa, a roupa e a maquiagem estavam discretas, mas o assunto se encerrou ali. Fui dormir e sonhei que tinha que fazer o vídeo de qualquer jeito. Acordei mais confiante, com muitas críticas ao vídeo do dia anterior e pronta para novas gravações.  Vesti uma blusa vermelha para levantar o astral, passei perfume, um toque de delineador nos olhos, joguei o melhor sorriso e de uma tacada só falei mais de 3 minutos. Tenho muita facilidade de falar em público, mesmo que seja só para uma câmera conduzida por uma amiga e tendo como plateia plantas e árvores do jardim. Aprendi que o que está no coração não sai da memória, o que conto é a minha história, e isso fica bem fácil. A questão é a imagem reproduzida.

No meio dessa operação uma amiga psiquiatra, na mesma faixa etária, telefonou e contei a crise de identidade. Ela simplesmente sorriu e disse: não reconhecer a própria imagem é mais comum do que você pensa. Fiquei com a frase na cabeça e lembrei que as vezes quando reencontro um amigo ou vejo em fotos no Facebook penso : como envelheceu ! E completo : deve pensar o mesmo ao me ver… Não posso esperar que se mantenha com a mesma juventude que eu julgo ainda ter, é preciso reavaliar o olhar para si e o outro…

A realidade é que graças a conversa rápida com a amiga psiquiatra, bastou um toque para reencontrar o rumo. Se o que julgo ser loucura não é apenas um problema meu, e se aquela que me segue não é uma inimiga, começo um exercício de aceitação e boa vontade com a mulher de cabelos grisalhos. Assisto ao vídeo e apesar das rugas, de tanto sol a pele ainda está boa… Os quilos a mais estão bem disfarçados na blusa larga e até que ela é uma figura bem simpática.  Não tem outro jeito, vou ter que gostar de mim assim mesma. 30 anos nunca mais…

Foto: Cláudia Schembri (sem photoshop)

Anúncios

11 Respostas para “30 anos nunca mais

  1. Muito bom Léa! Tenha certeza não é só problema, encucação sua,mas minha e de outras tantas!
    Com certeza vou comprar o seu livro, abraço

  2. Ufaaa, q alívio! Pensei q só acontecia comigo! Bjs

  3. Como te entendo!rsss
    Estou louca para ler o livro!!! Bjs e saudade.

  4. Querida colega de grisalhice.
    Eu te conheço desde quando tínhamos menos de 20 anos. Voce muito bonita e eu, franjudo.
    Sim, tornamo-nos mais velhos. E daí? O que ganhamos em troca da aparência? muito mais do que perdemos. Ficamos talvez com outro tipo de beleza. Voce, em especial: mais engraçada, mais sábia e reflexiva, mais delicada.
    Voce ganhou um bocado em troca dos seus cabelos grisalhos.
    Voce ganhou o status de Léa Penteado, uma referência profissional por uma carreira brilhante e outra referência pela inveja nacional ao trocar sua Praia do Flamengo pela atual cidade.
    Portanto, querida Amiga, voce nada mais tem do que a síndrome do “não quero” e, nessa, voce não irá ganhar. Então, olhe a imagem que o espelho não mostra e verá o quanto voce continua Gata Poderosa.
    E eu, velho e grisalho, não sei ainda sair dessa…falar é fácil, baby…
    Adoro voce, beijo, vamos em frente.

  5. Querida amiga, voce e eu temos “grisalhice”. E daí?Eu a conheci ainda no Curso Helio Alonso, tínhamos uns 18 aninhos. Depois, rolaram muitas coisas, todas boas. Voce sempre tipo moleca, tão engraçada e cheia de personalidade; todos gostávamos de voce.
    Eu a vi com cabelos castanhos, bonita e da pesada.
    E te vi brilhar em sua tão bem-sucedida carreira. Algumas vezes trabalhamos juntos, Rock In Rio e coisa e tal. Claro, voce ficou mais com o James Taylor do que tomando uns refris com a gente. Claro.
    Voce então aparece com essa preocupação com o que vê no espelho. Até te entendo. Afinal, hum…
    O que voce não vê no espelho é sua Beleza, fruto menos dos reflexos prateados e muito mais do que voce viu por aí. Por exemplo, ao ter a coragem de trocar a Praia do Flamengo por Santa Cruz de Cabrália, coisa que por si já é um traço definitivo de Beleza e Sabedoria. Entre mil outras vivências.
    Quanto a mim, baby, é duro olhar-me ao espelho….hum… Mas estou tão bonito…por dentro…e em paz.Ainda que a cada dia menos grisalho e mais desprovido, digamos assim.
    Adoro voce, esqueça o grisalho e vamos em frente que há muito que arrebentar por aí.
    Beijo.

  6. Sim, trinta anos nunca mais. Às vezes também me assusto com as rugas, com a pele um pouco mais flácida a cada dia, mas vejo nos olhos um brilho mais amoroso, um olhar mais observador e atento a vida. Você Léa está linda. Linda em cada palavra que escreve na tranquilidade que passa no sorriso e na coragem, na pele boa na cor de saúde neste olhar muito, muito mais bonito, sem dureza, admirado, assombrado e conhecedor ao mesmo tempo. Cabelos pintados pela lua que refletem no prateado a escolha de se deixar adornar pela natureza. Isto Léa, é mais do que ser bonita é ser uma linda e inteira mulher.
    Admiro você e não é de hoje. Quero ler esse livro e conversar com você.
    Obrigada por mais esta reflexão.

  7. Querida Léa, além de uma grisalha bonitona, inteligente, sensível, interessante você foi privilegiada por Deus e mora no paraíso. Amiga…. VOCÊ TÁ COM TUDO! Pode se olhar no espelho e dizer: Cada fio branco tem uma estória boa para contar….bjus

  8. Maravilhoso processo!!!

  9. Vinte, trinta, quarenta… Os anos passam mesmo. A gente leva cada susto com a gente mesma! Leva ao se olhar no espelho mas também ao perceber o quanto vivemos, o que fizemos, o que conquistamos. A vida vale muito por isso, né não?? E tem um lugar confortável no envelhecimento: a gente fica mais solta, mais segura, mais próxima do que julgamos realmente ser. Enxergamos com mais facilidade e clareza o que nos faz bem e somos mais capazes de dizer os “nãos” que, aos vinte, aos trinta, não conseguíamos. Uma vez, li uma frase dita pela Fernanda Montenegro que ficou muito na minha cabeça: se a alternativa a morrer é envelhecer, então, prefiro envelhecer. Quero ler o livro!!! Beijos, Léa querida!

  10. O melhor dessa história é mesmo reconhecer-se no outro! Aconteceu recentemente o encontro dos 50 (uiui) anos de formatura do colegial. A foto que documentou o evento dispensa maiores
    comentários, você já disse tudo!! E o processo, assim compartilhado, fica leve. Parabéns, Léa.

  11. Lea querida, envelhecer num país do tamanho de um continente e ser referência nacional numa atividade, é mágico. Parabéns pela profissional que sempre foi e agora, pelo livro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s