Arquivo da tag: mais de 60 anos

Comparações

foto-claudia_schembriEmbaixo da amendoeira, vejo os meses de verão acontecer na praia de Santo André…Amigos chegam para férias, contam as novidades do ano que passou, e é impossível não notar as marcas do tempo… Uns mais gordos, outros frequentaram academia estão malhados, percebo cabelos que ficaram grisalhos enquanto outros mais tintos, comentamos quanto foram prósperos ou difíceis os negócios, a política ou o simples fato de termos sobrevivido. Um ponto é fatal: silenciosamente todos se comparam…. Isto é inerente ao ser humano, o animal não olha para o outro para ver se está mais velho ou mais jovem, gordo ou magro, só mesmo o homem.

Lembro que a primeira vez que me percebi nas comparações foi no início da adolescência quando trocávamos de roupa para a aula de ginástica, e discretamente todas queriam saber quem já usava sutiã ou havia menstruado.  Às vezes mentiam quanto à menstruação para serem dispensadas das aulas… Depois, um pouquinho mais velha, a pesquisa ficava nas que eram ou não virgens, comparava-se o tamanho do salto do sapato, a roda do vestido, o perfume Avon ou importado, e por aí seguia numa disputa sem fim…. Tudo muito silencioso…Depois comparava-se o marido, o emprego, o carro novo, o apartamento, as férias no exterior, a casa na praia ou na serra, a escalada social…

Hoje me percebo curiosa em saber a idade das mulheres da minha faixa etária para ver quem está fisicamente melhor…Não sei qual o critério que uso para saber o que é melhor, mas discretamente analiso se os antebraços estão firmes para dar tchauzinho,  como estão as celulites nas pernas e no bumbum, a gordura que ganha forma nas costas e nos seios, a barriguinha, as varizes, as rugas em volta dos lábios denunciando as fumantes, tristes comparações mas totalmente verdadeiras… O tempo é implacável, esta não é uma boa disputa mas é a realidade desta vida mais longa e liberta que ganhamos… Mamãe jamais se permitiu ao se aproximar dos 70 colocar os braços de fora muito menos a barriga em um maiô de duas peças… E nós só tínhamos 30 anos de diferença… Tudo correu muito rápido e vamos tentando nos adaptar à nova realidade. Às vezes sinto que há um fio da navalha entre o adequado e o ridículo, mas é impossível julgar pois cada um vê no espelho a imagem que interessa.

Desde que voltei a praticar Pilates tenho pensado no meu bem-estar físico, pois as pernas que abalaram Paris jamais voltarão. Ficaram nas fotos e nas lembranças de quem viu. A flexibilidade do corpo e da mente são meus grandes objetivos. A agilidade dos pensamentos e a facilidade em me movimentar, cruzar as pernas, esticar os braços, andar firme, são meus desafios… Sei que com a determinação e juventude que tenho –  eu já contei que acredito ter 35 anos ? – vou bem longe.

 

Foto :  Cláudia Schembri

30 anos nunca mais

IMG_0001pq

Confesso que há algum tempo tenho dificuldade em reconhecer aquele mulher de cabelos grisalhos que me olha todas as manhãs no espelho. Às vezes me permito algumas fotos para encará-la, outras recuso reprodução tão chocada que fico naquela que não me reconheço. Na auto imagem estou entre os 30 e 40 anos. E aquela que me persegue ao se refletir no espelho enquanto passo o batom, ou quando encaro ao passar o creme no rosto, tem a minha voz, os olhos pequenos, os meus trejeitos, mas esteticamente não é com quem converso intimamente.

Para criar o material da campanha de promoção do livro que escrevi contando alguns cases de assessoria de imprensa, tive que fazer fotos e o mais desafiador, vídeos. No primeiro dia quando vi i vídeo na tela do computador tive o impulso de apertar o pause e deletar.  Revi e não quis mais saber do assunto. O cenário era o jardim de casa, a roupa e a maquiagem estavam discretas, mas o assunto se encerrou ali. Fui dormir e sonhei que tinha que fazer o vídeo de qualquer jeito. Acordei mais confiante, com muitas críticas ao vídeo do dia anterior e pronta para novas gravações.  Vesti uma blusa vermelha para levantar o astral, passei perfume, um toque de delineador nos olhos, joguei o melhor sorriso e de uma tacada só falei mais de 3 minutos. Tenho muita facilidade de falar em público, mesmo que seja só para uma câmera conduzida por uma amiga e tendo como plateia plantas e árvores do jardim. Aprendi que o que está no coração não sai da memória, o que conto é a minha história, e isso fica bem fácil. A questão é a imagem reproduzida.

No meio dessa operação uma amiga psiquiatra, na mesma faixa etária, telefonou e contei a crise de identidade. Ela simplesmente sorriu e disse: não reconhecer a própria imagem é mais comum do que você pensa. Fiquei com a frase na cabeça e lembrei que as vezes quando reencontro um amigo ou vejo em fotos no Facebook penso : como envelheceu ! E completo : deve pensar o mesmo ao me ver… Não posso esperar que se mantenha com a mesma juventude que eu julgo ainda ter, é preciso reavaliar o olhar para si e o outro…

A realidade é que graças a conversa rápida com a amiga psiquiatra, bastou um toque para reencontrar o rumo. Se o que julgo ser loucura não é apenas um problema meu, e se aquela que me segue não é uma inimiga, começo um exercício de aceitação e boa vontade com a mulher de cabelos grisalhos. Assisto ao vídeo e apesar das rugas, de tanto sol a pele ainda está boa… Os quilos a mais estão bem disfarçados na blusa larga e até que ela é uma figura bem simpática.  Não tem outro jeito, vou ter que gostar de mim assim mesma. 30 anos nunca mais…

Foto: Cláudia Schembri (sem photoshop)