Arquivo da tag: pilates

O sapato verde

sapatoverde

Quando a Tai me deu a bola pequena para um novo exercício de pilates, viajei no tempo. A pequena e pesada bola era exatamente da cor daquele sapato que jamais esqueci. Foi amor à primeira vista: olhei na vitrine e me apaixonei. Nunca tinha visto e desejado tanto um sapato verde de salto alto.  Talvez não combinasse com as roupas, mas aquele verde com um mix de tons petróleo e turquesa era especial, sedutor, chiquíssimo. A delicada pelica tinha um brilho perolado, o que deixava o sapato ainda pouco adequado a muitos trajes, mas nada importava.  Eu tinha a impressão de que a cor era uma experiência do fabricante, nenhum outro fora confeccionado, assim como o Fiat Uva que tive. Quando comprei, a concessionária avisou que apenas dois veículos vieram com esta cor inusitada, um teste da fábrica. Os dois foram emplacados juntos, mas o outro foi destruído dias depois em um acidente, e com isso os amigos sabiam por onde eu andava, afinal era a única a conduzir um Fiat Fanta Uva perolado entre o Rio e São Paulo. Fomos felizes por muitos anos, até fizemos um Rock in Rio !

Refletindo enquanto escrevo, percebo que cores e combinações pouco usuais fazem parte da minha vida. Tive o cabelo cor de cenoura, mas neste quesito me superei, foram muitas mudanças. Pintei uma parede de laranja uniforme da Comlurb por indicação do feng shui; na adolescência pedi e tive um quarto com moveis pintados de cinza com paredes e cortinas cor de rosa inspirado em algum filme de Hollywood e hoje imagino que os próximos toldos de minha casa podem ser de tecido acquablock estampado com samambaias. Sou uma pessoa de gostos estranhos, se correr solto, com o passar do tempo posso virar uma fashionista como a Iris Apfel. Mas voltando ao sapato verde perolado que veio à memória através  da bola de pilates, me lembrei também que não o vi envelhecer nem furar a sola de tanto dançar em festas, mas dei de presente à uma prima querida que também se apaixonara por ele ao ver em meus pés. Ela queria tanto quanto eu o quis e achei que merecia compartilhar. E aí me deparei com uma enorme coincidência sincrônica da vida…. Senti a ausência desta prima no facebook e, investigando, descobri que sofrera um AVC e estava internada. Ela não merecia…Tão brilhante, tão plena, tão cheia de desejos e projetos… Está em uma casa de repouso, cercada de amigos que não sabem o que fazer para amenizar a situação e eu daqui da Bahia ainda tenho sonhos em forma de sapatos coloridos e desejo muito que ela saiba que se não aguentamos mais o salto, vamos de havaianas !

Começo a pensar que as redes sociais têm me trazido mais notícias de obituários e doenças, do que casamentos e nascimentos de filhos…. Na verdade, só nascimento de netos e bisnetos de amigos.

Preciso de mais sapatos verdes, carros coloridos, alegria no coração…. Preciso acreditar que ainda há muito para se rir, celebrar, comemorar, nem que sejam as rugas e os quilos a mais…. Preciso ser menos rigorosa quando me pego falando demais, detalhando casos que podem não interessar aos outros, mas lembrar boas histórias é viver de novo…. Preciso estar atenta aos amigos, e o Facebook é um ótimo medidor de frequência mesmo que às vezes traga notícias tristes, partidas que são sempre chegadas a outro plano…. E preciso lembrar de agradecer sempre por esta vida…

Anúncios

O futuro será um espetáculo !

IMG_20180112_065841794

Esta semana, numa conversa, alguém me lembrou que a vida é finita. Sei, mas não sei. Ou esqueço que sei. Quanto tempo de vida ativa você ainda acha que tem? Me perguntam insistindo para que eu me lembre de quanto já caminhei. Respondo que creio ter todo o tempo do mundo. Talvez um dia, um mês, um ano, uma década…  No momento estou na campanha rumo aos 70 com muita saúde. Me lembro do susto quando subi na balança ao voltar de Portugal em 2004: 75 quilos cravados. Como assim? Nos dois anos anteriores deixei de fumar e entrei na menopausa, isso me tirou dos 62 quilos. Somaram as delicias da gastronomia lusa, as viagens pela França, Espanha, começando um grande estrago! Depois vieram a vida boa na Bahia, tempos com mais stress trabalhando em SP, e quando percebi, cheguei aonde estou. Não revelo meu peso nem sob tortura, mas decidi chegar aos 70, ou próximo disso, nos 70 anos…. Vou até aonde achar que estou me sentindo bem, sem cara de doente nem corpo caidaço…

Tenho refletido sobre qual foi o momento em que deixei de me olhar por fora e foquei no interior… Deus, os mestres, os santos, os gurus, os anjos, não podem gostar de alguém que esquece o externo, a saúde, o bem estar com o corpo. Posso culpar as confortáveis calças comprida com elástico na cintura, os vestidos largos, a praia deserta onde quase ninguém me vê, a cerveja gelada no calor, o Aperol Spritz com amigos, as deliciosas massas italianas, as caipivodkas aos domingos, as barras de chocolate Talento assistindo filme, cocadas da Lelê, e por aí vai… Na realidade o que me fez engordar foi o conjunto da obra. Voltar ao corpinho do passado é querer me agarrar à fonte da juventude. Sei que hoje sou bem melhor, deve haver um meio termo. E é o equilíbrio o que mais busco nestes tempos. O mesmo sentimento quando subo na prancha do Pilates. No início parecia impossível, hoje consigo surfar em terra firme…

Há 8 dias comecei o processo do olho no entorno sem perder o conteúdo. Comprei uma balança, doei 31 latas de cerveja e dois litros de refrigerante que estavam na geladeira. Não tomo refrigerante há muito tempo, mas eu comprei para atender amigos nas férias. A lata do delicioso doce de leite de Minas está guardada para um momento especial, uma pequena colher como prêmio quando estiver próxima ao objetivo. Pilates 4 vezes por semana, caminhadas. Nada de carboidrato, só proteína, ovos, legumes e verduras… Zero açúcar e farinha branca. Vale o azeite e o ghee (manteiga clarificada) feito em casa. Água, muita água… Preces e bons pensamentos, na certeza que o futuro será um espetáculo !

Sansão do Campo

sansão do campo

Neste outono, por muitas ruas onde passo, encontro floridas as cercas vivas de Sanção do Campo* . Parecem pequenos tufos de algodão, são de extrema delicadeza e quem não conhece é incapaz de perceber quantos espinhos tem os seus galhos. À primeira vista parece frágil como suas flores, mas seus galhos produzem espinhos semelhantes aos da roseira e funcionam como uma barreira contra invasores, contra a poeira das estradas e quebra o vento. A natureza sempre surpreende, assim como o homem…. Revelam espinhos onde pensávamos ser só carinho, revelam carinho onde pensávamos ser só espinhos.

Aprendi há algum tempo que ninguém é exatamente o que aparenta, sempre temos o que descobrir e desvendar…. Enquanto caminho reflito que o aprendizado pode estar em cada passo, e consigo perceber tudo isso pois estou aberta para o que a vida oferece…. Não é fácil passar dos 60. Como escreveu Rita Lee “envelhecer é uma loucura”…Penso que é o tempo mais difícil de uma existência. A infância corre fácil, tudo é novo. A adolescência por mais incomoda que seja passa rápido, já se chega à juventude com um mundo de tesão por descobertas, passasse dos 30 com desejos maiores de conquistas e solidez, aos 40 há um brilho de olhar a trajetória quase ganhando o mundo, aos 50 o orgulho da maturidade, aos 60 é divertido ser visto como prioridade apesar de se sentir ainda jovem, mas chegar aos 70 é um susto com o futuro.  O tempo está mais curto. Posso fazer planos para 10 ou 15 anos? Quanto ainda terei de lucidez e vida com qualidade? São muitas perguntas sem respostas.

Enquanto me alongo no Pilates percebo integralmente a matéria que sou. Sinto todo o corpo enquanto me movimento. Por mais que em determinados pontos a pele perdeu o tônus, os músculos estão fortes. Atingi uma abertura de pernas que em outras épocas faria enorme sucesso… Agora servem apenas para exercitar a elasticidade… E entendo que o caminho está em contemplar o cenário que se apresenta e buscar no corpo e na alma mais elasticidade, flexibilidade, harmonia, amor, fé e aceitação do que vem pela frente…Como o Sansão do Campo, mesmo que hajam espinhos vamos manter a beleza das pequenas flores…

 

* Sansão do Campo, também conhecido como Sabiá, o Sansão do Campo é uma espécie pioneira nativa da região nordeste do Brasil, sendo um arbusto de rápido crescimento que apresenta vantagens que o tornam ideal para a formação de cerca viva.  É uma planta perene que necessita de pouquíssima manutenção e, dependendo da situação, bastante rústica e resistente, dispensando inclusive as podas. Suas pequenas flores acrescentam valor ornamental à cerca viva, um outro diferencial em relação à outras espécies para a mesma finalidade, além de ser utilizada para restaurações e recomposições de áreas degradadas. Outra característica marcante do Sansão do Campo é a utilização de sua madeira, que é muito apropriada para usos externos, como mourões, estacas, esteios e lenha.  Nome Científico: Mimosa caesalpiniifolia (Leguminosae Mimosoideae)

Alongar

pista

Sempre ao sair do Pilates tenho a sensação de estar mais alta. Hoje voltei pela estrada sentindo o sol estourar na pele, o cheiro das árvores nativas misturadas com o do asfalto, como se estivesse caminhando sob pernas de pau.  Acho que cresci uns 10 centímetros nesta última hora… O tempo que passo entortilhada em mim mesma sobre o teclado ou no sofá enquanto faço bordados desaparece. Sinto como se eu fosse uma roupa que ficou muito tempo pendurada no varal, embaixo do calor escaldante da Bahia e ao ser retirada está bem esticadinha… Enquanto caminho reflito que além do corpo deveria alongar os pensamentos. Esticar tal qual o elástico que levanta as minhas pernas e faz com que eu me sinta como uma bailarina em piruetas…. Alongar percepções, sentimentos, intuições…. Um pouco de Pilates para a alma, decifrar o que parece indecifrável no conhecimento de mim mesma… Sou uma porção de mulheres misturadas e apesar de tantos anos convivendo com esta questão ainda me surpreendo… Vou me alongar para a vida que ainda me espera…