Arquivo da tag: santa cruz cabrália

A visita

2016-12-21 13.26.50

Estava entretida costurando bandeirinhas para enfeitar o verão quando o celular avisou que tinha mensagem. Era uma amiga que não vejo há séculos, está de férias em Arraial e com dia chuvoso saiu de carro sem destino. Chegou em Cabrália, pegou a balsa e no meio da travessia mandou o whatsapp “se você estiver de bobeira passo aí para dar um beijo”. Sempre estou de bobeira para receber beijo e, enquanto enviava as informações de como chegar até minha casa e prendia os cães, lembrei do seu irmão, um grande amor que passou no meu caminho e foi embora muito cedo… Um amor que durou pouco, mas nem por isso foi raso. Um dos homens mais brilhantes que conheci, com senso de humor refinado, jeito de intelectual desprotegido, ideias aos borbotões, grande figura. Certa noite, no final de um jantar,  ele confessou estar com a vida confusa demais para entrar num relacionamento mais sério. Dei o maior vexame ao chorar na mesa do restaurante. Como eu ia perder alguém tão legal ?

Ah! o amor, “o ridículo da vida” como escreveu Herivelto Martins, fez desmoronar uma mulher que chegava aos 40 anos, com muitas experiências e ainda com sonhos de ter um bom companheiro… Ficaram as boas memórias, o  livro de fotos do Salvador Salgado que ganhei no aniversário, a trilha sonora no CD da Bethânia cantando Roberto Carlos que ouvimos muito e um par de brincos de lápis-lazuli comprados no Chile.  Não fui ao Chile com ele, mas comprei quando lá estive, pensando que iria de gostar de ver nas minhas orelhas.

Tudo isso passou na minha cabeça “como se fosse um filme”, diria o Faustão, em menos de 10 minutos, tempo de a balsa chegar em Santo André e ela tocar a campainha do portão. Entrou pelo jardim tão linda, a maturidade está lhe fazendo bem, acompanhada de um casal de amigos. Dia chuvoso, muitas árvores no jardim, sinto que a casa fica triste, mas se alegrou com as visitas. Sentamos na varanda e, como sempre, conto a minha saga de 13 anos longe da “civilização” e o quanto faço e produzo, que meus dias nunca são iguais e nem monótonos. Nas entrelinhas sempre estou dizendo “fiquem tranquilos, estou feliz nesta reencadernação“. Trocamos pensamentos de vida, fui mostrar o mar, puderam perceber como tudo pode ser mais lindo com o sol e, meia hora depois, já nas despedidas, me perguntam se não sentia solidão. Devem ter achado que o tempo cinza, temperatura mais fria, morando sozinha com dois cães pudesse bater uma vontade de ir embora.

Mas cada dia tenho mais certeza que não poderia estar em lugar melhor para ver meus cabelos embranquecerem. Encaro sem subterfúgios os prazeres e as mazelas que aparecem…. Posso ser o que quero, bem boazinha e bem mazinha, é só escolher em que sintonia vou navegar…. Tenho uma casa que me permite o privilégio de receber amigos o ano inteiro. Conversas que entram e saem, como as que virão no início de outubro, quando cinco pessoas que não se conhecem, mas circulam nas mesmas áreas, vão se tornar amigas aqui…. Tenho certeza…. Nada combinado, tudo por conta do universo que sabe o quanto eu gosto de juntar pessoas e dá uma mãozinha.  E aí rolam altos papos, um bom peixe na mesa grande do jardim e a alegria do momento. Depois os visitantes partem,  mais alguns dias ficam silenciosos, até que chegam outros amigos, novos assuntos…

Estou conectada 24 horas para atender um cliente de são paulo que pode nem precisar de mim em um dia, mas quando chama estou tão perto como se fosse na mesa ao lado no seu escritório… Nas horas de folga me entretenho com costuras, leio o que aparece no papel e jornais na tela do Ipad, sem compromisso faço clipping de assuntos que podem interessar aos amigos, invento projetos, sou cidadã aonde moro, estudo redes sociais, refaço o site de turismo da vila, me alongo no pilates, ando na praia, assisto novelas e, sinceramente, não tenho tempo para pensar em solidão. Como postou no facebook minha prima Livia Garcia-Roza “A solidão pode ser cheia de encantos para certas pessoas. Me incluo entre elas.”

 

Anúncios

Ver com outros olhos

“Amanhã às 8 você faz a cirurgia… leva o cartão do SUS e o RG…”

“Estou trabalhando, não posso…”

“Oportunidade não se perde…”

Eram quase 5 da tarde quando aconteceu este diálogo. Saí atrás da Aninha, Secretária de Saúde, pedindo ajuda para saber como ter o cartão do SUS. Em poucos minutos estava em minhas mãos, é um procedimento muito fácil, me perguntei por que não fiz antes, pois mesmo com plano de saúde nunca se sabe o que a vida reserva na emergência. Segui com o cartão e sem a certeza de aceitar a proposta. Eu nada tinha pedido. Comentara sobre a necessidade de algum dia fazer esta cirurgia que não há como fugir, é questão de tempo, e assim do nada caiu a solução na minha mão. Era um prêmio que não sabia se devia receber. Continuei trabalhando até as 11 da noite, dividida entre meus pensamentos e a frase repetindo no ouvido “Oportunidade não se perde…”  Lembrava do meu plano de saúde, mas também da dúvida em fazer uma cirurgia que é simples, mas tão delicada, com algum médico no sul da Bahia.  E este grupo de cirurgiões oftalmologistas que acabara de chegar faz parte do melhor time de São Paulo.

indio

Há três meses eu estava às voltas com o projeto Voluntários do Sertão que escolheu Santa Cruz Cabrália para, durante 5 dias, fazer uma enorme transformação na vida da população. Poderia ter sido qualquer outra cidade com menos de 30 mil habitantes no país, mas chegou aqui por vontade política do prefeito Jorge Pontes que saiu buscando em Brasília boas propostas para a saúde da comunidade. No Ministério da Saúde ele soube no Sesai – Serviço de Saúde Indígena – sobre Dorinho, um menino do sertão de Condeúba que se transformou em empresário bem-sucedido e uma vez por ano realiza um fantástico mutirão. A maior ação de saúde e cidadania gratuita do país. Na sua 16ª edição queria atender índios e foi assim que juntou a vontade política com a ação humanitária. Cabrália é uma cidade com uma das maiores comunidades indígenas em área urbana do Brasil e se adequava ao perfil. O Prefeito topou a parada de oferecer hospedagem, alimentação, transporte local e estrutura para fazer acontecer. Reformou o hospital, transformou escolas em centros de atendimentos, teve que pedir macas emprestadas nas cidades vizinhas, fez muitas reuniões com todos os secretários, vendeu o sonho até para quem não achava possível e a partir do dia 16 começaram a chegar 20 carretas, depois voos da FAB com 387 voluntários entre médicos, enfermeiros, técnicos e profissionais diversos. A tudo isso somou-se 700 voluntários da cidade, entre funcionários municipais e moradores, e o sonho virou realidade. Até acontecer era difícil explicar, mas como diria minha mãe, o que é bom a gente conhece logo….

Voltando ao meu drama. Depois de uma noite entre pesadelos com discussões íntimas e filosóficas, ecoando “Oportunidade não se perde…” às 8hs eu estava no local marcado e me deparei com o circo armado. Era apenas Oftalmologia. Quatro carretas enormes cercadas por tendas. Cadeiras dispostas em filas, separadas por grades, uma triagem perfeita. O cartão do SUS e o RG na mão, digitadores conferindo informações e a fila começa a andar. Chegam voluntários pingando colírio nos olhos dos pacientes. Já dilatei várias vezes a pupila, conheço o procedimento. Crianças, velhos, jovens, mulheres, rapazes, se assustam com a gotinha. E ia eu seguindo o povo, mudando de cadeira, pois esta é uma fila sentada. À minha frente uma índia idosa, ao lado uma garota com pouco mais de 12 anos, pessoas carregando travesseiros e edredons, dormiram aguardando atendimento. Meu sentimento de culpa explode. Quero sair correndo, mas encontro com uma das voluntárias com quem conversei muito sobre logística e como superar dificuldades no evento, pois nem tudo o que pediam a cidade podia oferecer. Ela é profissional destacada de uma multinacional e uma vez por ano é só voluntária. Quando me viu escancarou um sorriso e disse: “que bom você estar aqui… faz os dois olhos de uma só vez… manda um beijo para o Dr. Neto…” e foi embora atarefada no maior astral… Recebo o comentário e carinho como sinal para não desistir, esqueço a culpa. E vou passando de cadeira a cadeira, andando muito rápido e em uma hora já estou no consultório oftalmológico. Um espaço pequeno onde cabe perfeitamente o médico sentado em um banquinho com seu equipamento e uma secretária numa mesinha com computador fazendo anotações. Ele examina e confirma: catarata. “Quer fazer os dois olhos? ”  Já não sou mais dona de mim e vou aceitando o que a vida me oferece.

india idosa

Mais gotinhas nos olhos, número do SUS e RG para um outro digitador registrar, colam adesivos na minha blusa, alguém me acompanha ao centro cirúrgico e quando percebo já estão me preparando. Touca nos cabelos, me vestem um tipo de avental, capa cobrindo os sapatos. Sentado ao meu lado, esperando a porta da sala de cirurgia abrir, um senhor passando dos 70 desabafa: “se o médico disser que não pode mais operar, vou prá casa feliz. Eu não sabia que tinha catarata”….  Assim como ele, no dia anterior uma senhorinha chegou com 100% de catarata. Estava cega, saiu enxergando tudo… Centenas de histórias assim.  A porta abre, me conduzem à uma cadeira azul tão inclinada que parece uma cama. Creio que deviam ter uma 8 iguais. Deito, alguém passa um líquido em volta do meu olho direito, cobre com uma venda, abre um buraco e coloca um aparelho para manter aberto. Incomoda um pouco. Chega outra pessoa que percebo ser o médico e pergunto quem é Neto. Era ele. Coincidência ter caído em suas mãos. Digo que Ana mandou um beijo. Ele diz que ela devia ter subido para vê-lo e avisa que vai mais uma gotinha e esta irá arder. Estou entregue às suas mãos. A partir daí fiquei com a impressão que havia uma música no ar, mas era o delicado barulho do laser. As luzes iam mudando de intensidade, parecia um caleidoscópio, até entrar um pequeno elemento verde esmeralda esplendoroso e a brincadeira acabou. Fecharam meu olho e começou tudo de novo do outro lado. Não havia passado 8 minutos quando levantei da cama. Eu enxergava tudo com muito mais luz. Saí tateando, me colocaram óculos escuros. E assim estou a menos de uma semana da cirurgia de cataratas nos dois olhos…. A minha vida tem outro brilho…. Quem passou por isso sabe o que estou falando, quem ainda não, vale saber que é o maior barato !! Nunca pensei que meus olhos estivessem tão embaçados… A gente vai se acostumando com o ruim, com poucos propósitos transformadores, nenhuma novidade e vai perdendo a beleza, o brilho e a cor… Nestes dias em que tenho que estar longe de multidão, sem óculos de grau nem olhos pintados, decidi que quero estar pronta a aceitar as ofertas de mudanças. Mesmo que tenha medo no princípio, discuta com meus botões, perca meu sono, tenho que lembrar sempre que “Oportunidade não se perde…”

EM TEMPO:

Os Voluntários do Sertão tinha estimativa de 30 mil atendimentos em cinco dias e chegou a 40.450.

Voltei

marebaixa

Nos últimos anos tem sido assim: os meses de dezembro, janeiro e fevereiro correm mais do que as minhas pernas podem alcançar…. Hospedes chegam e partem, amigos visitam, passam para uma conversa, um almoço ali, um jantar acolá, uma tapioca no café da manhã, um prosecco na praia – todo mundo toma espumante! – , um vinho no fim da tarde, eles estão de férias e eu trabalhando, em casa e na prefeitura. O filho me conforta por 4 semanas, longas conversas, vida colocada em dia, presente e futuro. Acompanho a sua maturidade, orgulho do seu caminho bem construído.  Fico feliz com suas escolhas e a forma clara, lucida de olhar o mundo.  Recebo como presente uma foto nossa reproduzida em um bordado. Não pode ser mais delicado… Continuo costurando amizades e afetos, em forma de bonecas e colchas… Num êxtase de inventividade, uni retalhos com bordados e ficou surpreendente… Nenhuma modéstia, a esta altura da vida este sentimento deixou de habitar em mim.

O carnaval passou e pela primeira vez vi como é em Cabrália. Acontece uma semana antes do original, já é tradição. É a Bahia com todos os Bs As Hs  Is e As em caixa bem alta. Impossível conversar no volume do trio elétrico. Entrei em um para ver como é e babei com a super sofisticação da área interna. Suítes de luxo, palco de responsabilidade. Fico surda e tento entender as letras geralmente com duplo sentido na mistura de ritmos sertanejo, arroxa, pagode e o que mais vier. É assim por aqui. Tão perto e tão diferente do bloco de Santo André que sai no sábado de carnaval com sua charanga tocando “mamãe eu quero” e outras tantas marchinhas, levantando poeira pelas ruas, homens vestidos de mulher, crianças de borboleta, fantasias bizarras, poucas baianas…Tudo inesquecível…Uma exaustão, um prazer único, quem viveu pode contar.

Aproveitando a entressafra de dois dias com casa vazia, dei folga para a turma que pega pesado comigo, tempo para respirar, bateu um banzo. Saudades de escrever e dos irmãos. Tenho muitos amigos e pouca família. Não vejo há tempo os que me viram com catapora, com quem dividi a lata de leite condensado, disputei o ultimo bife do prato, dancei até cansar, pedi colo, dormi junto, compartilhei sonhos e mangas caídas do quintal. Em volta da mesa no almoço de domingo éramos um grupo forte, parecia que a cena jamais se apagaria. Caímos na vida, os esteios da casa partiram e temo em nosso reencontro sermos apenas velhinhos com pouca memória…

Nas memórias recentes encontro para jantar um amigo que hoje mora em BH e conheci quando cheguei na Bahia. Pensei um projeto, ele deu força, montamos juntos e assim nasceu a Caravana Veracel, uma ação de cidadania que só por ter visto acontecer justificaria a minha existência. Já disse isso também no projeto de voluntariado em Lisboa em 2004, no relato sobre Jerusalém em 2012, e sou feliz por ter sido parte de tantos sonhos, por onde deixei um pedaço de mim, vi se tornar realidade. Como é bom fechar ciclos, iniciar novos…. Estou neste tempo, enfim um novo ano… Sei que algumas vezes o barco emperra na areia, o motor não pega, dá preguiça e não há muito a fazer senão esperar a maré subir e ganhar novamente o mar. E chegou a hora. Estou soltando as amarras, 2016 aqui vou eu…

Viva!

11129843_1029878993690528_1316757353_n (1)Pouco mais das 5 da manhã quando saí para a praia, olhei o quadro na varanda com fotos ​de muitos amigos e vi quantos já partiram… Nem chegaram a minha idade… ​Estou no lucro mesmo fazendo aniversário em tempo de ressaca de Natal e Ano Novo. Aprendi a festejar assim. Alguns amigos cansados de festas, muitos viajando, outros começando dieta, mas nem por isso deixei de ser feliz apagando as velinhas com grande ou pequena platéia.

Fui caminhando pela servidão, vendo o sol nascendo no mar e agradecendo pela vida… Extasiada com o  escândalo do canto dos pássaros, a beleza do flamboyant que por falta de chuva continua florido, tudo é motivo de gratidão. Aniversário é dia de reverenciar os antepassados, mesmo os que não conheci .  Estiquei a canga na areia e olhando o mar com o sol nascendo agradeci à família, ao meu filho, aos meus mestres, aos amigos de sempre, aos amigos recentes, aos amigos virtuais, muitos eu nem conheço a voz, nunca vi pessoalmente e leem meus textos, comentam meus posts, me querem bem…

Este aniversário chega acompanhado de uma reflexão promovida por um curso de Eneagrama que aconteceu esta semana em Vila de Santo André. Ah! esta vila sempre surpreende! Adriano Fromer Piazzi é um editor de livros bem-sucedido, nos últimos anos tem se dedicado a este estudo e aproveitou a semana para dar um curso com as primeiras noções. Eu conheço o assunto, estudei em dois workshops, mas num pré aniversário voltar a pensar em quem realmente sou foi mais que perfeito.  Eneagrama não tem a ver com signos, não vem no gene e nem se desenvolve com a educação familiar. São 9 perfis de personalidade, fala-se sobre isso  desde a antiguidade. Nos últimos tempos passou a ser uma ferramenta muito usada para autoconhecimento e por empresas para selecionar os profissionais adequados à cada função.

Neste curso de dois dias mais uma vez constatei que sou forte, obstinada, firme, confrontadora e não peço ajuda.  Como é duro não mostrar a fragilidade… Sou rebelde, mandona, radical… Já fui bem mais, nos últimos anos a vida me amaciou.  Assumo o controle do que faço, dos assuntos mais complicados aos mais simples, e como já ouvi dezenas de vezes “entrega para a Léa que ela resolve”. Falo o que penso, tenho uma ética muito pessoal, acredito na justiça e na integridade. Sou de explodir mas me recupero rapidamente. Nada como uma noite para aliviar. No dia seguinte passou, não guardo mágoa, posso ignorar quem me fez mal, mas não desejo o mal. Adoro a verdade, não consigo atuar nas meias palavras. Tem que ser certo, reto. Sou generosa, boa parceira, pau pra toda obra.​

Revi meus sentimentos e atitudes. Alguns a favor, outros mais delicados,  mas saber quem sou simplifica tudo. Sei aonde estou pisando e mesmo  quando parece que tudo vai desmoronar não tenho medo. Medo apenas de ter medo. Revi também a personalidade dos outros tipos. Do super exigente, ao temeroso, passando pelo romântico e o mental. Os que empurram com a barriga, os que não querem aplausos e os que sofrem por não ter… Bom constatar que não somos iguais, isto me reafirma a importância de ter mais respeito ao semelhante e, numa boa, eu não aguentaria  conviver apenar com Leas.

Jamais imaginei quantos anos viveria e aonde chegaria. Fazendo o que ? Com quem ? Não pensei sobre isso nem aos 20, nem aos 40, quanto mais passando dos 60. Fui fazendo a vida com o que se apresentava. Um dia de cada vez, sem muitos planos a longo prazo, com um enorme prazer em estar no momento presente que foi se desdobrando e me trazendo presentes. Presentes em forma de amigos, desafios, afetos, alegrias, conquistas, amores, aprendizados…

Este ano vivi mais Santa Cruz Cabrália, a cidade da minha doce Vila de Santo André. Expandi conhecimentos, fiz amigos e sou grata ao Prefeito Jorge Pontes por ter me convidado para ser Secretária de Comunicação. Um aprendizado todos os dias. Este ano me encantei com as aulas de cerâmica, dar forma ao barro, ver queimar, colorir, transformar em peças… Costurei menos do que queria, rezei bastante…

Ah! vida!!! Quanto ainda por fazer ! Mais amigos, mais conhecimentos, mais esperança, mais obras em casa, mais hóspedes, mais saúde, mais risadas, mais lágrimas de alegria, mais surpresas… Que coisa boa é estar ainda por aqui… E  que venham os dias, meses e anos que tiverem que vir e eu serei eternamente feliz !

 

 

 

 

 

Santa Cruz Cabrália

cabralia2

 

Li a singela postagem no facebook de um morador da vila onde moro sobre o pastor de sua igreja que há pouco mais de dois anos resolveu tomar uma atitude para reverter a situação de Santa Cruz Cabrália e convocou os fiéis a orarem pela cidade. O pastor saiu pelas ruas em oração ungindo com óleo santo os caminhos e as casas, pedindo à Deus que mudasse o destino da cidade onde o Brasil começou. Andou por todos os bairros, ungiu o rio João de Tiba e chegaram a Vila de Santo André onde orações e óleos não foram poupados. Como resultado, este morador credita a isto o fato da Alemanha ter escolhido o local para ser sua sede na Copa do Mundo.

Admiro as pessoas que tem fé, seja qual for… A capacidade da transformação frente a um desejo por mais impossível que possa parecer aos olhos dos outros sempre me comove. É ser maior do que os sonhos e limitações… Estes desafios são os que me parecem estar acontecendo aqui… Da noite para o dia, sem orçamento nem planejamento, caiu de paraquedas uma seleção mundial para se concentrar neste município que sobrevive muito mais da agricultura do que do turismo histórico ou de suas belezas naturais …

Tenho minhas reservas quanto a gestão pública. Envio e-mails ao prefeito e secretários pedindo atenção às mazelas da vila, mas tenho que ser justa neste momento. Não posso ignorar a realidade de que este é um município pobre. São mais de 28 mil habitantes distribuídos em 1.550 km2 – de litoral são 165kms -, onde estão 16 assentamentos de sem-terra, 4 aldeias indígenas, 1 comunidade quilombola e para tudo isso o orçamento é de 4 milhões de reais, basicamente sustentado pelo governo federal… A conta no início do mês começa assim: 1,8 milhões para a educação, 800 mil para a saúde, ainda tem a folha dos funcionários e todos os custos de uma cidade… E é nesse panorama que um dos menores povoados da cidade recebe a seleção de um dos países mais ricos do mundo… Parece pai pobre tendo que fazer a festa de casamento da única filha com um milionário. Os falados recursos da Secopa não chegaram até aqui. É o que conta do Secretário de Turismo Fernando Oliveira.

Neste aperto financeiro há de se ter uma alegria com a visibilidade que a cidade está conquistando. O Jornal da Globo na segunda-feira passada não podia mostrar Cabrália mais bonita… Até a bagunça que se transformou o local onde foi rezada a primeira missa estava fotogênico nas imagens em HD… Se durante um ano todos os recursos do município fossem usados apenas para relações de marketing e promoção não pagaria o que estão conseguindo em mídia gratuita. E a copa nem começou, os falados 200 jornalistas ainda não chegaram, muito mais virá… Vale a cidade e a vila estarem limpas, vale o esforço… Vale o aprendizado para o futuro, planejar como usufruir desta evidencia… E valem também as orações e os óleos que ungiram este milagre de cair do céu o que pode ser a grande transformação de uma cidade até então conhecida como vizinha pobre de Porto Seguro…

À Venda

avenda

Em junho do ano passado a convite do Resort Costa Brasilis o jornalista Tales Azzi veio à Vila de Santo André fazer uma reportagem para a revista Viaje Mais e por indicação de amigos me procurou. Estava chocado com as ruas vazias, as muitas placas “vende-se” em casas e terrenos, as pousadas e restaurantes fechados… A vila estava vivendo a baixa estação, como acontece todos os anos passados os meses de verão. Mas nos ultimos tempos a baixa tem sido tão baixa que algumas pousadas fecham depois da Semana Santa. O único movimento de turismo que o jornalista encontrou foi o que se repete quase todos os dias no encontro do rio com o mar onde chalanas e escunas param por uma ou duas horas como parte do pacote vendido pela CVC. Entre as muitas perguntas o jornalista quis saber sobre uma grande construção abandonada distante uns 200 ms da minha casa. Contei que era um condomínio, conhecia um dos donos e a última vez que falamos ele comentou que os sócios estrangeiros estavam com dificuldade na remessa de dinheiro para continuar o empreendimento. Para não ir embora tão decepcionado, convidei o jornalista para um passeio de veleiro com o Carlindo. Voltou encantado pois ao ver a vila do mar  levou uma melhor impressão e a certeza de que um lugar tão lindo não deveria estar à venda.

O  tempo passou rápido. No dia 18 de agosto uma equipe da Seleção Alemã de Futebol visitava o condomínio cuja obra parada retomara a todo vapor. Uma casa estava bem adiantada, ali foi servido um coquetel, apresentadas plantas baixas da construção, um vídeo mostrando a beleza do projeto arquitetônico e a notícia era que até dezembro a Seleção da Alemanha definiria sua base para a Copa do Mundo e outras duas cidades estavam na disputa. Santa Cruz Cabrália, o resort Costa Brasilis, nem o Campo Bahia estavam no famoso book da Copa que oferece hospedagem e centros de treinamento para as seleções que participariam da Copa. Vila de Santo André era o azarão na disputa, correndo por fora com sua exuberante beleza natural, praias semi virgens e um grande empreendimento de bem sucedidos alemães.

Outras visitas aconteceram, a obra foi andando cada vez mais rápida até que no dia 6 de dezembro quando aconteceu o sorteio das chaves da Copa ficou definido que a Alemanha estrearia em Salvador, mesmo contrariando a Fifa os alemães decidiram ter sua própria concentração e centro de treinamento em Vila de Santo André. Operários trabalhando das 7 às 2 da manhã, de domingo a domingo… Poeira e muito barulho… A rua de terra antes silenciosa ficou tomada por caminhões… Não se pode fazer omelete sem quebrar ovos, eu sei…

Crescia rapidamente um enorme condomínio em um terreno de 12 mil m2 com 14 casas. Uma área de proteção ambiental em local próximo conseguiu em tempo recorde de 15 dias autorização para devastação de um espaço para a construção de um campo de futebol e outros quesitos necessários para um centro de treinamento. Parecia uma gincana e se nada deu certo no Brasil com a Copa, aqui na Bahia, local onde dizem que impera a preguiça, está tudo pronto. A prefeitura veio para a limpeza geral, pressionou a empresa de energia elétrica para trocar postes e colocou lâmpadas, pintou o meio fio com as cores das bandeiras do dois países, mas ainda há uma pergunta no ar quanto o falado legado da Copa… Os comentários correm solto na vila.

Legado é a divulgação que a vila vai ter em receber os alemães? Alguns questionam…

Vão reformar o campo de futebol. Isto é muito bom…

Mas isto não é legado da Copa,  contesta a Secretária de Meio Ambiente.

Já doaram uma ambulância para o posto de saúde da vila como antecipação do imposto de 0,5% do valor total da obra.

Mas a ambulância foi para Cabrália. Isto é legado?

E as manilhas colocadas na beira do rio para impedir alagamento da vila fazem parte do legado?

E sem saber qual será o legado e o que reserva o nosso futuro, se pós Copa seremos reconhecidos como destino turístico e teremos visitante ao longo do ano, precisamos agora resolver questões básicas. Neste exato momento há duas informações conflitantes quanto ao fechamento da rua do Campo Bahia. Na verdade esta é a rua principal da vila. A informação é que do acesso à praia por onde passam os ambulantes até o lado da minha casa, todo o trecho será fechado. Só os moradores terão credencial para acesso, os demais terão que dar uma grande volta pela pista (rodovia BA 01). Já uma outra pessoa que esteve na mesma reunião onde se discutiu este tema entendeu que a pé ou de bike todos podem passar, o limite será dado aos automóveis. E enquanto não sei o que vai acontecer reflito se a segurança terá a insensibilidade de dividir a vila. Ironicamente criar um muro frente aos alemães…

 

Os próximos 20 anos…

Rua de Santa Cruz Cabralia

Rua de Santa Cruz Cabralia

Um amigo querido testemunho dos meus últimos 40 anos, veio passar uma semana comigo e tivemos oportunidade de andar solto por este sul da Bahia. Foi pelas ruas simples do centro de Cabrália, num comentário muito “en passant”, que ele falou alguma coisa ou deu um sorriso, suficiente para me ver exatamente onde e como estou. Nós que  juntos andamos por ruas da Europa, jantamos com Juscelino Kubitschek, nos divertimos muito nas noites de Ipanema, desfilamos na comissão de frente da Portela abanando Becki Klabin, que assistimos “Laranja Mecânica” em Paris, fomos hippies de boutique, de repente estávamos onde escolhi viver, completamente distantes de qualquer padrão de glamour. Andando por ruas de paralelepípedo algumas sem calçada, olhando vitrines divertidas, apreciando uma arquitetura as vezes com casarios abandonados, cumprimentando pessoas que hoje fazem parte desta minha vida e não me viram na outra.

Se uma cartomante há 10 anos dissesse que eu viveria num lugar assim eu não acreditaria. É um presente poder renascer muitas vezes sem morrer. Começar um tempo novo, num lugar novo, com pessoas novas, aonde se quiser… Com algum desprendimento é possível buscar o que melhor convêm. E se não quiser mais ficar ali, sempre se pode voltar para o ponto de partida ou colocar as malas na estrada e sair no mundo.  Nada impede que se aprenda outras coisas, que se crie projetos ou se engaje em algum já existente, pois ter 60 anos nestes tempos é como ter 40… Como somos privilegiados!  Assistimos ao mundo na tela da TV ou na web, podemos perguntar qualquer coisa ao google, ter aulas de muitos idiomas, visitar museus, aprender até a fosquear vidros, minha última brincadeira… Chega-se com disposição numa idade em que crescemos acreditando que era o tempo de cuidar dos netos, calçar chinelos e logo teria o prazo vencido. Mas a realidade se mostra diferente quando se percebe que há ainda muito fôlego. Fico quase  uma hora pulando no rio nas aulas de hidro, ando de bicicleta, corro o jardim puxando a mangueira para molhar o gramado, e faço tudo isso pensando seriamente nos próximos 20 anos… Uma coisa já sei : serão muito mais emocionantes dos que os já vividos…

Em tempo : as fotos abaixo foram feitas nesta caminhada… Um pouco do que se vê nas ruas de Santa Cruz Cabrália.

IMG00309-20130927-1056

IMG00302-20130927-1044

IMG00300-20130927-1040

IMG00299-20130927-1039

 

IMG00306-20130927-1054

Bed & Breakfast

 

 Imagem

 Gosto das manhãs de verão quando preparo em silêncio o café para os meus amigos. Levo os cachorros para a casinha, coloco a água para ferver e com capricho vou arrumando a mesa na varanda. Estes dias somos em 9. Lotação esgotada !  Enquanto separo as frutas e cozinho a banana da terra, penso no prazer da casa cheia que só acontece no verão. Bem que podia ser ao longo do ano. Afinal Vila de Santo André é tão linda !

Nada em minha vida foi planejado. Aos 20 anos nem o sonho mais louco chegou próximo do cenário em que me encontro. Um dia de cada vez, a vida se apresenta e surpreende. Tudo começou na partilha da pousada. Mamãe ficou com a casa do Victor e dois chalés num terreno com muitas árvores no meio de um areal em um vilarejo no sul da Bahia, distante mais de 1000 kms do Rio de Janeiro. Quase três anos depois, com o patrimônio abandonado, vim para um semestre sabático e a missão de vender a propriedade. Comprei a casa e aqui estou há mais de 8 anos. O areal virou gramado. Plantei mais árvore, fiz um belo jardim e com a procura no verão comecei a alugar os chalés para amigos. Alguns anos depois construí mais um chalé para o meu filho e fui aprimorando o prazer de receber no mais autêntico estilo bed & breakfast. Ofereço o que sei e posso fazer mesmo sem ter auxiliar: um belo café da manhã e arrumar quartos. Mas com o jeitinho baiano da Helenita e da Geisa eu nem preciso estar em casa. Elas deram autenticidade ao breakfast com a tapioca, o bolo de fubá, sucos de graviola, cupuaçu e cajá, e recebem com a simpatia da Bahia.   

As conversas no café da manhã são deliciosas, tenho o privilégio de só receber pessoas interessantes com boas historias prá contar. Sempre aprendo e ensino alguma coisa. Ontem fizemos cinema no jardim. Esticamos uma lona branca e um lençol num varal, colocamos projetor, notebook e caixa de som na mesinha, cadeiras e espreguiçadeiras e os olhos grudados na tela grande. O perfume da noite, o pio da coruja, os cachorros dormindo no gramado e a emoção que só um bom filme provoca.  Esta é a outra vida, muito divertida e um prato cheio para uma jornalista. (Fotos : Cláudia Schembri)

Imagem

 

Aos meus queridos

Desde ontem meu pensamento está nos que partiram… Acordei cedo, busquei companhia e não encontrei. Peguei 25km de estrada até  Mogiquiçaba, um pequeno povoado na divisa de Santa Cruz Cabrália com o município de Belmonte, onde deixei o corpo do meu irmão há quase 11 anos. No trajeto desliguei o som do carro, fui ao silencio pensando naqueles que partiram, em muito do que vivemos, recobrando imagens que vão além da fotografia do porta retratos na sala, do álbum da estante, da memória no computador. Imagens com movimentos, tons da voz, risos, trejeitos, cores favoritas, sabores, perfumes… Cena que nenhum filme mostra e só se reconstrói na imaginação e nem sei até que ponto é real. O tempo pode ter suavizado matizes, reverberado sons, alterado dimensões, mas é o que ficou. Torna-se uma verdade.

Estou num tempo de mais partidas do que chegadas, de repensar caminhos. Fui revendo tudo isso enquanto me desviava de alguns buracos na estrada, assim como os tropeços da vida. Mamãe e papai estão juntos no Rio de Janeiro. Victor optou pela Bahia. Escolha não se explica, segue-se o desejo. E lembro quantas vezes passei por esta estrada com ele, com outros pensamentos e muitas gargalhadas.  Jamais imaginei um dia estar aqui, tão integrada a esta gente tanto que junto comigo levei nesta viagem um abraço no coração de outras duas pessoas queridas que também foram colocados ao lado dele…

Parei o carro à beira da estrada. Por incrível que pareça nos minutos que  fiz minhas preces e acendi as velas no pequeno e simples cemitério nenhum carro, ninguém passou por perto. Era só eu e os queridos Victor, Dudu (Edoarda Casadei) e Doró (Dorothea Copony). Se acreditamos que existe um encontro além deste mundo, eles estarão próximos. Eram amigos das conversas e da boa mesa, tinham vivido muito, escolheram ficar por aqui… E lá seus corpos foram deixados, lado a lado. Hoje um pouco de mato no entorno, algumas flores nativas, a sombra das árvores e ainda se escuta, mesmo que distante, o barulho do mar. Lembrei deles, com muito carinho, nesta sexta-feira e em tanto outros queridos… Sei que partimos sem aviso prévio e por isso só nos resta  viver melhor enquanto aqui estivermos.

O pote de ouro

Gosto da lenda do pote de ouro no pé do arco-íris. Singela e lúdica leva para vôos sem asas, pura imaginação. E o que eu faria com um pote de ouro? E como faço para chegar até lá? Sempre acho que encontrarei muito mato no caminho e me vejo debatendo em um capinzal que cobre a minha cabeça. Cobre sim a minha cabeça, mão não é o capinzal. São tolos os pensamentos que não deixam ver que o pote de ouro está dentro de mim, dentro de nós. As soluções estão aonde nascem os problemas, e não fora de deles… Lembrei disso quando Cláudia enviou esta seqüência linda de fotos feitas na travessia da balsa… Fez um sol lindo e depois veio uma grande chuva, prenúncio de arco-íris… E eis que surge o pote de ouro no momento em que entendemos que somos luz e sombra, o bom e o mau, a tristeza e alegria, e todos os inversos são um só. A alma humana é simultaneamente divina e diabólica, sagrada e profana, santa e pecadora. E se for prestar atenção ao que escreveu Hermes Trimegisto na Tábua da Esmeralda em 680 dC, “é verdade, certo e muito verdadeiro que o que está embaixo é como o que está em cima e o que está em cima é como o que está embaixo, para realizar os milagres de uma única coisa.” Ninguém é só sol nem só chuva…Mas todos somos arco-íris com pote de ouro… (Fotos : Cláudia Schembri)

Começa a surgir ...

Cabrália ainda distante

Chegando mais perto da cidade

Se derramando na cidades

Esplendoroso no barquinho pesqueiro